• Paula Teshima

Não se Rebaixe

Conheço certas pessoas que fazem um trabalho voluntário, que trabalham em locais públicos, tem salário garantido, ajudam pessoas mais carentes e humildes, sem recursos... ok possuem bom coração, mas há consequências não muito boas disso, que é ficar vibrando e atraindo carências, pobrezas, escassez, falta... no trabalho e na vida pessoal também. É que nem trabalhar com energias, terapias, tem esse lado bom, mas tem o lado ruim também que, neste caso, pode afetar a parte da saúde. Pode fazer com que certas pessoas possuam essa visão de pobreza, uma mente pobre, porque entra num ciclo vicioso... faz esses trabalhos que não ganha nada ou muito pouco... na mente da pessoa fica a impressão e a verdade de que ganha muito pouco por pessoa/serviço. (diferente de por exemplo de um pintor que ganha um valor muito mais elevado por um serviço, não importa a quantidade de horas que seja, tipo, a mente e o universo entende que o valor recebido é maior) então, como a pessoa sente que ganha muito pouco, sente vontade de economizar, não gastar, não escolher coisas caras e melhores, isso gera mais pobreza, não merecimento. É ilusão achar que você ganha 5 dígitos, que está muito bem de vida, mas não sobra quase nada no final do mês. Enquanto que uma outra pessoa que ganha 3 ou 4 dígitos, pode fazer sobrar muito dinheiro para investir em si próprio ou na sua conta. Quem é rico? 


O pior é aquela pessoa que ganha muito bem financeiramente, paga todas as suas contas em dia, mas no dia a dia, ela se rebaixa, não se dá ao luxo de desfrutar o bom e o melhor. Por que? Talvez, de forma inconsciente, por se sentir culpada em ganhar muito e ver tantas pessoas pobres sofrendo por aí... não se sente bem ou confortável em desfrutar de coisas boas, caras e luxuosas... ou não se sente merecedora por saber que não tem feito coisas boas para os outros, para si, cheio de culpas, erros, fracassos, injustiças... ou ainda, para lembrar que veio de uma família humilde, com poucos recursos... cara, passado é passado... não tem que ficar revivendo no presente! Os tempos são outros, as situações são outras, se você não teve condições financeiras no passado e hoje tem, que bom, aproveite, mas com moderação. Se você está bem hoje, agradeça a si mesmo, dê esse presente para si mesmo, pois isso é fruto dos seus esforços. Você merece! Caso contrário, sabe o que acontece com quem vive se rebaixando de propósito ou inconscientemente (para se mostrar humilde e igual aos outros)? Se torna aquele milionário cheio de dívidas, apertado, com contas atrasadas, os outros não te pagam, é roubado frequentemente, perde muitas coisas... ou seja, vive numa situação em que terá que ficar sempre gastando, gastando, gastando... não sobra dinheiro... por que? Por que ao se rebaixar, ao não se permitir desfrutar de coisas mais caras, emite o sinal ao Universo de que você NÃO tem dinheiro. Consequentemente, retornarão mais e mais situações que farão você gastar todo o dinheiro que ganha - ficando sem grana. Aí sentirá que não pode gastar tanto. Isso vira um ciclo vicioso de pobreza, escassez, miséria. Portanto, se você ganha bem, viva de acordo com isso. Não estou dizendo para ter 5 casas, 5 carros, 3 smartphones... é ser equilibrado nas suas finanças e em todas as outras áreas da vida. Não gastar nem economizar demais. Não se rebaixar nem se mostrar demais. Não criticar as escolhas dos outros, e sim aceitar e viver intensamente, sem culpa, sem dó, sem arrependimento. Faça jus aos seus esforços. Só você sabe o quanto lutou para chegar aonde está.


Paula Teshima


São Paulo, 31 de julho de 2019 

www.paulateshima.com

1 visualização

E-mail:

contato@paulateshima.com

Whatsapp:

(11) 99881.0280

Seg - Sex: 14:00 - 00:00

​​Sábados: 14:00 - 19:00

​Domingos e Feriados: 14:00 - 18:00

  • Instagram
  • Facebook ícone social
  • YouTube ícone social
Para entrar em contato com a Paula ou sua equipe, utilize o formulário abaixo.

© 2009-2020 Paula Teshima - Todos os direitos reservados.