• Paula Teshima

Por que as Mulheres são Mais Tolerantes às Dores Físicas do que os Homens?

Desde jovem, elas aprendem a lidar com suas próprias dores físicas - dor da depilação, dor de remover pelos com pinça, dor de remover cutícula, dor ao andar de salto alto, dor do parto... são dores desagradáveis, mas, em troca, possuem um benefício positivo. Ou seja, elas acabam ensinando ao cérebro que a dor vai trazê-la algo bom. É como se elas falassem: "Estou sentindo dor, tudo bem, eu aguento, porque sei que isso vai valer a pena". 


Já, os meninos também sentem dores desde pequenos, talvez até mais que elas. Devido às suas brincadeiras mais agressivas e arriscadas como andar de skate, manobras de bicicleta, subir em árvores, pular, correr... eles tendem a se machucar mais frequentemente, mas a diferença é que as dores que eles sentem tem um caráter mais negativo. São devido aos erros e falhas que cometeram. Então, o cérebro entende que não há nenhum benefício em sentir dores. 

Ao chegar numa idade mais avançada e começar a sentir dores no corpo, os homens são os primeiros a reclamar, porque possuem um baixo limiar da dor. O cérebro entende a dor como algo totalmente negativo, e que é preciso se livrar logo disso. No entanto, existem homens que programaram, inconscientemente, seu cérebro para não sentirem dores. São aqueles homens mais durões, valentões, insensíveis. Mas, na verdade, são os tipos mais sensíveis que, geralmente, possuem baixa autoestima. E, justamente, para não demonstrar sua alta sensibilidade, sua fraqueza, sua inferioridade, eles aprenderam, ao longo da vida, a ignorar os sinais da dor. Claro que isso não é uma atitude saudável, pois pode ser o causador de certas doenças como o Mal de Parkinson.


Paula Teshima

São Paulo, 12 de maio de 2016 

www.paulateshima.com

0 visualização

E-mail:

contato@paulateshima.com

Whatsapp:

(11) 99881.0280

Seg - Sex: 14:00 - 00:00

​​Sábados: 14:00 - 19:00

​Domingos e Feriados: 14:00 - 18:00

  • Instagram
  • Facebook ícone social
  • YouTube ícone social
Para entrar em contato com a Paula ou sua equipe, utilize o formulário abaixo.

© 2009-2020 Paula Teshima - Todos os direitos reservados.